Quando Me Amei de Verdade.

Quando Me Amei de Verdade.

( Charles Chaplin )

CHARLES CHAPLIN Quando me amei de verdade

 

 

Quando me amei de verdade,

pude compreender
que em qualquer circunstância,
eu estava no lugar certo,
na hora certa.
Então pude relaxar.

Quando me amei de verdade,
pude perceber que o
sofrimento emocional é um sinal
de que estou indo contra a minha verdade.

 

Quando me amei de verdade,

parei de desejar que a minha vida
fosse diferente e comecei a ver
que tudo o que acontece contribui
para o meu crescimento.

Quando me amei de verdade,
comecei a perceber como
é ofensivo tentar forçar alguma coisa
ou alguém que ainda não está preparado
– inclusive eu mesma.

 

Quando me amei de verdade,

comecei a me livrar de tudo
que não fosse saudável.
Isso quer dizer: pessoas, tarefas,
crenças e – qualquer coisa que
me pusesse pra baixo.
Minha razão chamou isso de egoísmo.
Mas hoje eu sei que é amor-próprio.

Quando me amei de verdade,
deixei de temer meu tempo livre
e desisti de fazer planos.
Hoje faço o que acho certo
e no meu próprio ritmo.
Como isso é bom!

Quando me amei de verdade,
desisti de querer ter sempre razão,
e com isso errei muito menos vezes.

 

Quando me amei de verdade,

desisti de ficar revivendo o passado
e de me preocupar com o futuro.
Isso me mantém no presente,
que é onde a vida acontece.

Quando me amei de verdade,
percebi que a minha mente
pode me atormentar e me decepcionar.
Mas quando eu a coloco
a serviço do meu coração,
ela se torna uma grande e valiosa aliada.

Charles Claplin Quando me amei de verdade

(Nasceu em 16 de Abril em 1889, Morreu em 25 de Dezembro de 1977)

foi um ator, diretor, produtor, humorista, empresário, escritor, comediante, dançarino, roteirista e músico britânico. Chaplin foi um dos atores da era do cinema mudo, notabilizado pelo uso de mímica e da comédia pastelão. É bastante conhecido pelos seus filmes O Imigrante, O Garoto, Em Busca do Ouro (este considerado por ele seu melhor filme), O Circo, Luzes da Cidade, Tempos Modernos, O Grande Ditador, Luzes da Ribalta, Um Rei em Nova Iorque e A Condessa de Hong Kong.

Veja Outros Posts do Blog:

Mindfulness

AutoAjuda

Deixe Seu Comentário

comente

maria384_wp

Passamos a vida a fazer coisas que não queremos por muitos motivos, meu propósito é ajudar a descobrir a sua missão e a direciona-lo de forma segura nesta transição de carreira e de vida, pois a partir do momento que mudamos o que fazemos a vida muda, garantir que o resultado desta mudança seja desejável é o que me motiva.

O que você achou deste conteúdo?